domingo, 13 de janeiro de 2019

Ano Novo, Ano Novo, Ano Novo!



 (Foto: Nuno Photography)

“Come as 12 passas e cala-te”, mastigou a Fofa, em pleno pico de stress, tentando fazer tudo a que tinha direito na noite da Passagem de Ano. Eu, que nunca fui muito de comer passas à pressa e formular desejos ao mesmo tempo, fingi que mastigava, enquanto ela se atirava para cima de um banco, com um copo (desculpem, mas não temos flutes) de champanhe na mão. Logo a seguir, mesmo antes de me desejar Bom Ano Novo, lançou-se em direcção ao telemóvel e desatou a telefonar aos filhos e às amigas a desejar tudo de bom no tempo que estava para vir. E ali fiquei eu, paciente (é todos os anos a mesma coisa) encostado à lareira, à espera do meu beijo de Boas Festas. Lá veio ele, já perto da uma da manhã, lânguido e apaixonado. Olhámos um para um outro e desatámos a rir.
Não era preciso verbalizar os votos que nos animavam naquele momento. Sabíamos intimamente, adivinhávamos sem hesitação, líamos apaixonadamente o que nos ia no coração e os bons desejos que tínhamos um para o outro, para os nosso filhos, para a nossa família, para os amigos e para os filhos dos nossos amigos. Voltámos a encostar os copos um no outro, voltámos a encostar levemente os lábios e ficámos no sofá num exercício de adivinhação sobre o que nos iria acontecer no ano acabado de nascer. E o que formulámos posso perfeitamente revelá-lo, sem qualquer receio, porque os nossos desideratos são, mais coisa menos coisa, iguais aos de toda a gente.
Queremos entrar em 2019 com o pé direito, porque é assim que se deve fazer. Se, depois, o passo se troca, por descuido nosso, ou por causa de um ou outro empurrão de alguém menos cuidadoso, isso será resolvido a tempo e com as pessoas certas. Para já, posso revelar que pensámos na família, primeiro, nos que partiram e, depois, nos que ficaram; na harmonia sempre necessária para avançarmos no tempo e progredirmos no modo como tentamos percorrer as nossas estradas; tomámos nas mãos o desejo de uma contínua tolerância para que todos se sintam confortáveis e encorajados nas suas ideias, nos seus desejos e nas suas conquistas, sem críticas nem palavras nascidas no preconceito e na inveja; quisemos acreditar que todos os familiares e amigos iriam ter sucesso nos seus projectos, nas rotas que viessem a traçar, de forma pessoal ou colectiva, nos seus empregos e nos seus tempos de lazer; olhei-a nos olhos e vi lá reflectidos os nossos filhos, cada um percorrendo o seu caminho sempre com vontade de avançar, de melhorar, de saber mais e melhor sobre o mundo e a vida, procurando, serenos, vencer os obstáculos, com coragem e honestidade, sem pisar ninguém, sem usar ninguém, sem odiar ninguém; e desejámos o mesmo para os seus amigos, merecedores também dos maiores sucessos; pensámos, com força, nos mais pequenos da família, na Carminho, na Mariana e no Duarte e, tal como duas fadas madrinhas, desejámos-lhes o melhor deste mundo e de todos os mundos que possam existir para além deste, com saúde e força para os pais e também para os avós, que são, como todos sabemos, a grande base de apoio e de conforto dos recém-casados e dos recém-nascidos; direccionámos o nosso pensamento aos amigos e amigas, sobretudo àqueles que neste momento atravessam momentos mais complicados e que viram o seu caminho interrompido por factores de vária ordem. Queremos que tudo volte ao normal e queremos que saibam que estamos cá para o que for preciso.
Passaríamos a noite inteira a formular votos sem fim, se à memória nos viessem todos aqueles que fazem parte dos nossos dias, no nosso emprego, nos nossos tempos livres, todos os que encontramos nas ruas da cidade e que para nós têm sempre uma palavra amiga sobre nós e sobre os nossos. Estaríamos durante este novo ano, todo inteiro, de fio a pavio, a desejar a paz e a justiça para todos os que fogem da guerra, da doença, da fome e da intolerância; a imaginar como seria bom se todos tivessem uma casa decente, emprego todos os dias, saúde, pão na mesa e um livro que os fizesse sonhar, na mesinha de cabeceira; pensámos como tudo seria mais fácil se os corruptos pagassem na justiça o dinheiro e a dignidade que nos roubam diariamente, e devolvessem com juros tudo o que nos tiraram neste duros últimos anos da nossa existência; como tudo seria bem melhor se quem nos governa olhasse para nós como seres humanos, com um nome próprio e um apelido, e não como um simples número de contribuinte ou da segurança social.
Adormecemos no sofá no meio de tantos desejos, tantos que não tinham fim. Com a lareira já apagada e a sentir o frio que tinha regressado à sala, decidimos ir para o quarto, para nos restabelecermos, de modo a estarmos prontos a enfrentar o ano recém-nascido. Antes de cair nos braços do Morfeu, ainda a ouvi murmurar: “Não te esqueças de que vamos ter um compromisso importante em Fevereiro.”Vamos?”, perguntei já meio perdido. “Sim. Vamos lançar o Cloreto de Sódio no dia 2, na Biblioteca Municipal. Temos de tratar dos convites.” “Temos”, concordei, atabalhoadamente, já muito longe, quase, quase a iniciar a viagem que me iria levar até ao novo ano. 
E aqui estamos. E por aqui vamos continuar.
Bom Ano!



João Luís Nabo

In "O Montemorense", Janeiro de 2019

Sem comentários:

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal