sexta-feira, 13 de março de 2020

Estamos tramados



Penso que já se disse tudo sobre o Novo Coronavírus. E já se escreveu o que se tinha a escrever. Tudo o que se acrescentar a partir de agora deverá trazer novidades e propostas de solução. (Por esse motivo, e porque não tenho soluções para apresentar, eu devia parar já de bater com os dedinhos no teclado do computador. Mas aí, seria despedido do jornal e não teria forma de pagar o carro novo – estou a brincar.) E há questões que não vale a pena voltar a aflorar. Situações absurdas que nos surpreenderam todos os dias, quando pensávamos que vivíamos num país evoluído e progressista. E não me venham dizer que a estupidez humana em geral e a estupidez dos portugueses em particular são ainda herança da longa noite do fascismo. Isso foi chão que já deu uvas, e os tristes que se desculpam com esses 48 anos de escuridão (que já lá vão quase há meio século) deviam pensar melhor no que dizem e no que fazem.          
Enquanto assistíamos ao colapsar da Itália e ao alastrar da epidemia noutros países da Europa, continuámos a fazer a nossa vidinha como se nada estivesse a acontecer e, pior ainda, como se Portugal se localizasse numa redoma de vidro que o tornava intocável e imune a todo e qualquer vírus. Numa primeira fase, quando parecia que o problema se encontrava “apenas” do outro lado do mundo, a velha expressão “isso só acontece aos outros” continuava de boca em boca, quando nos encontrávamos com os amigos nos cafés, nos restaurantes, nas discotecas, nos teatros e cinemas, nos recintos desportivos, nos ginásios, nos balneários, nas escolas, nas missas, nos ensaios dos coros e das bandas, nos escuteiros, nas visitas de estudo, nos projectos Erasmus, nas viagens ao estrangeiro… em plena pandemia.
            Numa segunda fase, se algum de nós, mais consciente ou mais temeroso, referisse a necessidade de uma mudança urgente de comportamentos e políticas, os doutores e engenheiros da nossa praça atiravam-nos logo com artigos de jornais e de revistas sobre a Gripe Espanhola… que matou mais de 100 mil (nunca percebi como é que isto serve de argumento para defender seja o que for ou para contrapor as opiniões dos mais atentos). Outros, licenciados em Medicina de um dia para o outro e especialistas em Saúde Pública na Universidade da Vida, atiravam com um doutoral e inabalável, “mas a gripe comum mata muito mais e ninguém fala nisso.” Alguns ainda, com a mania que salvam o planeta da fome, mas que vão para a praia quando as escolas e as universidades são encerradas, vociferavam: “Morrem mais crianças à fome do que as vítimas do Corona e ninguém se importa com isso…” Enfim, para cada borrego a sua borreguice. E não valia a pena referir que os casos apontados nada tinham a ver uns com os outros e que agora se tratava de um vírus mutável, perigoso, e de rápida propagação. Não. Os que se preocupam é que são estúpidos e os que compram umas mercearias a mais nos supermercados é que são uns egoístas açambarcadores e má-na-sê-quê.
            Numa terceira fase, agora que grande parte dos edifícios e das instituições públicas e privadas se encontram encerrados, não sabemos quais serão as verdadeiras e terríveis consequências de todo este processo alucinante. E não me refiro apenas à qualidade de vida, à saúde e à necessidade imperiosa de sobrevivência. Sabemos que não estamos a viver um filme de terror. Foi a nossa vida que se transformou numa existência de incerteza e de medo, tal como vimos em muitas narrativas cinematográficas e literárias, tal como Stephen King profetizou em tantos dos seus romances, ou como Dean Koontz imaginou no seu livro The Eyes of Darkness, publicado em 1981, em que a cidade de Whuan se torna no berço do vírus, ou ainda como a escritora, também norte-americana, anuncia uma pandemia irreversível “lá para o ano 2020”, no seu livro End of Days: Predictions and Prophecies About the End of the World. Assustador? Sim. São apenas livros? São. E de qualidade literária questionável, segundo alguns críticos. Mas a verdade é que já começámos a viver o que ambos imaginaram na ficção, há já algumas décadas.
            Numa reflexão um pouco mais fantasiosa e correndo o risco de parecermos paranóicos, não seria estranho se um cientista desequilibrado, após ter lido os livros, tivesse decidido fazer exactamente o que lá vem descrito. Koontz e Browne tornar-se-iam profetas e o cientista louco terminaria os seus dias num manicómio a assistir ao colapsar do planeta, qual Nero diante de Roma em chamas, sem poder gastar os milhões de dólares que um qualquer governo, igualmente louco e terrorista, lhe teria pago para cometer este crime maior contra a humanidade.
Regressando à nossa realidade e resumindo as aventuras dos últimos dias, passámos de uma despreocupação absolutamente patética para uma fase de invasão dos supermercados e farmácias. Do abraço efusivo e do beijo lambuzado à vénia e ao toque de cotovelo. Agora, não cumprimentamos ninguém como devíamos (por vezes, até dá jeito) e apodera-se de nós um receio atípico quando temos de aceitar o pão do padeiro que, fiel às suas obrigações, nos vem bater à porta todas as manhãs.
Se a estupidez não tem cura, o que me deixa aliviado é que esta questão do vírus vai acabar, mais tarde ou mais cedo, por ficar resolvida. Já a questão da estupidez... essa ficará em stand-by à espera de uma nova epidemia. Não sei quando terminará este período de caos. Não sei se ainda cá estarei nessa altura, mas, para já, vão para casa e não me aborreçam mais com as vossas doutorices da mula russa e os vossos exageros liliputianos.
Portugal é, e vai continuar a ser, um Portugal dos Pequeninos. Mas isso já todos sabemos.

João Luís Nabo

In "O Montemorense", Março de 2020

Sem comentários:

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal