segunda-feira, 18 de julho de 2011

Crónica de um espectador perturbado


Nos dias 16 e 17, numa casa situada na Travessa do Espírito Santo, em Montemor-o-Novo, cerca de quarenta pessoas entram no número 2 e esperam que alguma coisa aconteça. Seremos recebidos com um sorriso e um convite para um café? Nada disso. Somos obrigados a conviver, “a seco”, na pequena sala de entrada, com quem vai chegando, constantemente a sermos filmados, entrevistados e fotografados por dois dos “anfitriões” (Paulo Quedas e Carlos Olivença). Incómodo, no mínimo.
A um canto, numa minúscula televisão, passam peças sobre violência doméstica. Está assim lançada uma pista discreta que nos há-de conduzir ao cerne do exercício dramático do qual já estamos a fazer parte.
Uma mulher (Anabela Ferreira) circula por entre os recém-chegados, lançando, com alguma violência vocal, frases aparentemente enigmáticas construídas a partir de palavras escritas nas paredes e no tecto da pequena sala de entrada. Quando o desconforto chega a um nível quase insuportável, uma mulher (Vera Guita) surge, vinda de lugar desconhecido e convida (sem margem para recusa) oito dos visitantes a segui-la. (Muitos filmes de terror começam assim!). É o início de uma estranha viagem.

A Casa que, segundo algumas teorias (e um bom par de práticas literárias e cinematográficas), tem o dever de ser um lugar seguro onde nada de estranho pode acontecer, torna-se o espaço privilegiado onde o uncanny é representado sobretudo pelos tons de voz das três mulheres que, em três divisões diferentes, fazem desfilar diante de nós três histórias de solidão, de violência e desespero. Mulheres com vontade de mudança. Mulheres diferentes com um ponto em comum – a necessidade de partilhar as suas memórias dilacerantes.
Os solilóquios perturbadores na sala da salamandra (Vera Guita), na cozinha (Carla Pomares) e no quarto de passar a ferro (Rosa Souto Armas), tornam-se ainda mais perturbadores, não só pela interpretação mas pela maneira multifacetada com que as três mulheres usam a voz no decorrer dos monólogos, estando elas sempre demasiado perto de nós para que fiquemos à vontade. Nem quando saímos daquela Casa, a caminho da nossa casa, nos sentimos reconfortados. Porque há algo que não foi explicado. Porque há conflitos que não foram resolvidos. Nem na Casa nem em nós.
Pondo de parte a “técnica da fechadura” (típica das telenovelas), em que o espectador fica a par dos acontecimentos porque se limita a ser um voyeur das cenas sem que os actores o vejam, esta encenação atira-nos para o centro da acção, ficando o desconfortável espectador cara-a-cara (literalmente) com as actrizes e, isso ainda é mais fascinante, corpo-a-corpo com as suas dúvidas e ansiedades, com os seus medos e desejos. E o que é delas confunde-se constantemente com o que é nosso.

A concepção do espectáculo, colado como uma pele ao espaço da Casa, foi do actor Carlos Marques. As actrizes foram a Anabela Ferreira, a Vera Guita, a Carla Pomares e a Rosa Souto Armas. O Paulo Quedas e o Carlos Olivença registaram os momentos com as suas câmaras, numa brilhante alegoria aos reality-shows sofredores obrigatoriamente da síndrome do Big Brother lançada em 1948 por George Orwell em Nineteen Eighty Four, e que proliferam nas televisões de todo o mundo.
O tema contemporâneo da violência doméstica é narrado/representado dentro de uma Casa mas a sua operacionalização através dos conflitos psicológicos das solitárias e abandonadas personagens, torna-se, pela sua força, dinâmica e pelo seu carácter intimidatório em relação ao espectador, mais importante do que as próprias situações que os provocam. Nesta sequência de ideias, somos atirados em direcção ao dramaturgo norueguês Henrik Ibsen, num cocktail de influências onde são bem-vindos Bertold Brecht e sobretudo Samuel Becket com a sua visão tragicómica sobre a natureza humana, marca possante do seu teatro do absurdo.

Pronto, já desabafei. Mas ainda não me sinto lá grande coisa.






3 comentários:

Anónimo disse...

Pois os amigos são para as ocasiões...talvez tenha sido engraçado. Um dia terei a honra de ser convidado(a) pois oportunidades não faltarão, acredito.Sucessos muitos aos artistas

vovó disse...

ainda estou a digerir a coisa...

beijocasssssss
vovómaria

Anónimo disse...

Parabéns...embora não tenha entendido o espaço...

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal