sexta-feira, 21 de março de 2014

Emílio





Começo este texto com uma profunda ansiedade. "O seu artigo é o primeiro que leio", disse-me uma senhora amiga que nem eu sabia que tinha paciência para as minha diatribes. Assim, começo a escrita deste mês ansioso porque sei que há, pelo menos, uma pessoa que me lê (não contando com a minha mãe). E essa ansiedade, desta vez, é maior porque há tanto sobre que escrever que acabo por engasgar o teclado com as ideias, os desabafos e as críticas que me escorrem das pontas dos dedos. Por isso, para não haver tragédias narrativas, o tema é só um. E luminoso.


Ora leiam:

O Emílio Umaña Rodriguez é meu aluno. Seria um aluno como todas as outras centenas de jovens que já se sentaram à minha frente na sala de aula, cada um, naturalmente, com as suas vidas, gostos, capacidades e outras idiossincrasias que condicionam sempre a sua relação com o professor, a escola, as matérias e a vida. Porém, o Emílio é um aluno que chegou à Escola Secundária (já não se chama bem assim, mas estou a borrifar-me) vindo, imaginem, de uma cidade que fica a 8 mil quilómetros de Montemor – Morelia, no México.

Chegou em Setembro e, passados estes poucos meses, fala um português quase, quase correcto, integrou-se numa turma de 11.º ano (com visitas frequentes a outras turmas, por questões curriculares) fez amigos e ligou-se a uma família de Montemor, que o recebeu como se mais um filho fosse. Juntamente com a directora de turma, fiquei como um dos responsáveis pela integração do Emílio na Escola e… no espaço montemorense. Claro que, terminada cada aula, este aluno especial passa a maior parte do tempo com colegas da turma B, do 11.º ano, um grupo generoso, inteligente e arejado das ideias. Também eles tiveram um papel fundamental na integração e no bem-estar deste seu novíssimo amigo. Merecem, por isso, o nosso reconhecimento e a nossa admiração.

Quando pensamos na responsabilidade em que se transforma a vinda de um aluno estrangeiro para a nossa Escola, longe da sua cidade, da sua família e dos seus amigos, em suma, a 8 mil quilómetros da sua zona de conforto, fazemos um esforço suplementar para lhe oferecer as melhores condições de aprendizagem, um ambiente confortável, simpático e honesto. Queremos, no fundo, que ele se sinta como todos os outros nossos alunos, ou seja, como se tivesse frequentado a nossa escola… desde sempre. E creio que o temos conseguido.

Sabemos que o ensino em Portugal está na ordem do dia. Os professores também. Mas não pensem que a forma como temos vindo a ser tratados nos faz alterar o nosso sentido de responsabilidade e rigor profissional. Muito menos, quando temos um adolescente que, em Junho, vai regressa a Morelia, no México, para continuar a sua vida.

Pois eu acredito que o ano lectivo que o Emílio está a viver entre nós não será apenas inesquecível, como irá ser o grande ano de toda a sua vida. E nós, professores, família de acolhimento e novos amigos, também não iremos esquecer o rosto do jovem mexicano, a forma afável como aceitava as nossas decisões sobre a sua vida pessoal e escolar, a sua simpatia, intelecto, educação e integridade.

"Porque será que está a partilhar connosco esta questão?", perguntará a tal amiga e fiel leitora. Porque esta foi a primeira experiência do género em 30 anos de serviço. E porque, quando pensamos que sabemos muito, há sempre um puto mexicano a ensinar-nos mais qualquer coisa.

Por isto e por muito mais, o Emílio já não é mexicano e também não chegou a ser português. Com 16 anos, é já um Cidadão do Mundo.

In jornal "O Montemorense", de 20 de Março, 2014


 

8 comentários:

adrisousa disse...

Já somos três...a tua mãe essa tua amiga e eu que já te acompanho desde as primeiras letras no Cloreto de Sódio. Gostei deste texto. Não especialmente pela sua composição, que isso já não é novidade para mim, mas pela oportunidade, mais uma vez, de todos ficarmos a conhecer o teu amor para além da música, á tua profissão. Sinto-me orgulhoso de ser teu amigo. Abraço

adrisousa disse...

Já somos três...a tua mãe essa tua amiga e eu que já te acompanho desde as primeiras letras no Cloreto de Sódio. Gostei deste texto. Não especialmente pela sua composição, que isso já não é novidade para mim, mas pela oportunidade, mais uma vez, de todos ficarmos a conhecer o teu amor para além da música, á tua profissão. Sinto-me orgulhoso de ser teu amigo. Abraço

Anónimo disse...

Maravilhoso...!

Obrigada, Amigo, Maestro e Colega Professor


Ana Graça

Anónimo disse...

Maravilhoso...!

Obrigada, Amigo, Maestro e Colega Professor


Ana Graça

Cloreto de Sódio disse...

Também eu gosto de ser teu amigo. À distância mas sempre perto do meu coração. Beijos da minha tribo para ti e para a tua família!

Anónimo disse...

Boa tarde João Luis
Agradeço o texto que me fez sentir grata pelos professores que temos e que sabem o que é importante na vida .À mediocridade de um governo respondem com humanismo e elevação e,é por isso, que continuo a ter esperança neste país.
Um abraço
Vitória+Silva

Mila disse...

Gostei de ler, de saber desta experiência nova que aí nessa escola está a ser vivida,e, tenho a certeza do seguinte: se eu tivesse passado por uma situação identica, tudo faria para que o novo aluno se sentisse como em sua casa, tal como a um filho não quereria que nada lhe faltasse.Esta ideia de publicar um texto alusivo à situação é maravilhosa, cada vez o admiro mais, parabéns.Um abraço Mila

Cloreto de Sódio disse...

Obrigado, Mila, pelas suas palavras e pela sintonia em que nos encontramos. Neste texto, nestes sentimento e na música com o nosso Orfeão T. Alcaide! Também a Mila, com a sua coragem, genica, generosidade e determinação tem, há muito tempo, um lugar especial no meu coração.Um grande abraço!

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal