quarta-feira, 11 de julho de 2018

A Torre


Foto: MANUEL ROQUE

          O calendário é implacável e não há deuses que o façam parar nesta sua vertiginosa viagem que nos arrasta e intimida. E lá vamos nós para mais umas semanas de férias, porque foi um ano complicado e todos merecemos um período de descanso. Todos?  Não me parece, mas também não me sinto motivado, neste momento de despedida, para desenvolver o assunto.
         Interrompemos as nossas actividades e marcámos uns dias com a patroa, com os pirralhos ou com os amigos e amigas, num local afastado do nosso domicílio habitual, da nossa rua e dos vizinhos de todos os dias. Temos de ver caras novas, pessoas diferentes, cenários alternativos aos que nos são oferecidos durante todo o ano na nossa cidade, na nossa vila ou na nossa aldeia. É importante visitar o país, dando preferência a novos locais (spots, como se diz agora), uns cheios de tradição a nível de eventos e de património histórico e arquitectónico, outros verdadeiros paraísos de férias, onde residentes e turistas se sentem confortáveis e confiantes até no ar que respiram. Localidades onde é um prazer viver uns dias em ambientes saudáveis, com gente arejada, onde podemos conversar sobre o que nos apetecer sem que apareçam os habituais defensores da moral e dos magníficos e intocáveis costumes a defenderem, tantas vezes, o que não é defensável. Por outro lado, há quem prefira voar para outros destinos, para a velha Europa, ainda a refazer-se das mudanças geo-políticas que tem vindo a enfrentar (e a assumir) nos últimas décadas; ou para o novo continente, onde tudo é grande, desde o vazio no cérebro do grande líder, passando pelas reservas dos tristes Nativos Americanos, até ao Empire State Building e ao deserto do Arizona, tão árido como o cérebro de muita gente que conhecemos.

          Contudo, há uma questão que tem de ser aflorada, ainda que ao de leve: o pessoal parte à conquista desse Portugal e desse Mundo, porque há necessidade de mudança e, mais importante ainda, sede de enriquecimento cultural, ou os seus objectivos são reduzidos única e exclusivamente ao desejo perverso de, através das redes sociais, mostrar aos amigos (e, principalmente, aos inimigos) onde estão/foram? E lá vêm colecções de selfies no FB ou no Instagram, para esfregar na cara de algumas gaivotas o nosso estatuto, a nossa carteira e, até, porque não?, o nosso bom gosto. Sabemos que há excepções, muitas excepções a esta regra estúpida, mas elas acabam por confirmar o que se vai observando por aí.

             Depois do passeio cá dentro ou lá fora, ou da estada na praia ou na montanha, há o regresso e o doloroso mergulhar na realidade do trabalho, no dia-a-dia das relações nem sempre assertivas. E, assim, voltamos a ter de calar algumas opiniões, ideias ou sugestões, porque a sensibilidade dos que não concordam connosco engorda com o passar dos dias. Lá seremos, durante mais onze meses, escravos do relógio, dos horários, da legislação e dos caprichos de alguns inefáveis iluminados que sentem inveja de não serem como nós e, ao mesmo tempo, medo de serem como nós. E pronto, é assim que tudo vai caminhando em direcção ao buraco final onde, aí, já ninguém terá razão sobre coisa nenhuma.

             Não terminem a leitura destas reflexões com um travo amargo de boca. Não quero levar isso na consciência quando partir para a Comporta ou para a Barragem dos Minutos, onde vou dedicar alguns segundos às Belas Artes da Pesca e algumas horas à Belíssima Arte de Bem Dormir a Sesta. Fiquem a saber, caros dez (onze?) leitores que a nossa terra é como se fosse a nossa Mãe. Se dela nos afastamos para respirar mais livremente outros ares, nem sempre são os oceanos, os lagos, as cidades, os monumentos, as praias ou as ilhas paradisíacas que nos atraem o verdadeiro objectivo das nossas férias. Reparem no meu caso, por exemplo: o que me leva, por vezes, a sair da minha cidade, nem sempre é essa tal vontade de ver e de viver temporariamente noutros cenários. É o prazer do regresso e, perante a visão sempre épica da minha Torre do Relógio, o sabor da indescritível sensação de pertença, de lar e de identidade feliz.

João Luís Nabo
In "O Montemorense", Julho de 2018

Sem comentários:

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal