quinta-feira, 28 de agosto de 2008


Quando abrimos a maioria dos jornais portugueses, concluímos que a perseguição cerrada ao croquete de bacalhau, à patanisca, à Ginginha do Rossio, à colher de pau, ao galheteiro e à greta no tecto no mercado-não-sei-donde é muito menos perigosa do que qualquer outro tipo de perseguição. Daí haver tantos criminosos à solta, dezenas de crimes por dia e centenas de elementos das forças de segurança a assobiarem para o lado, porque ninguém lhes dá uma arma para defenderem o coiro. Os que mudaram recentemente as leis deveriam ser as primeiras vítimas daquilo que escreveram e que está a transformar Portugal numa terra a saque. Mas não são. É pena.

2 comentários:

XICA disse...

Ora aqui tá um belo texto!

ZERO À ESQUERDA disse...

Obrigado por mais esta visita. Como vês, nã custou mêmo nada! Entrei no teu blogue. Belo espaço. À manêra!!! Inté!

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal