quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Caravela e Casquinha recordados amanhã na Biblioteca Municipal


Há alguns anos, ainda estava na Direcção do jornal "Folha de Montemor", este vosso amigo e alguns colegas de redacção decidiram escrever, talvez, a reportagem mais importante dos, na altura, 10 anos e tal do jornal em questão: decidimos, após longa reflexão, contar cronologicamente a história do assassinato dos trabalhadores rurais António Maria Casquinha e José Geraldo Caravela. Produto de um trabalho de investigação, trouxemos para o papel, de forma organizada e coerente, a história desse crime, cujos agentes nunca foram condenados. Estive, inclusivamente, com o meu sogro em Vale de Nobre, revisitando o espaço e imaginando a acção com a ajuda de uma colecção de fotografias que nos tinham sido cedidas com o único objectivo de recriar jornalisticamente o acontecimento.
Infelizmente, questões de vária ordem levaram a que essa reportagem, pronta a ir para as rotativas, nunca visse a luz do dia. Foi publicada depois da minha saída da "Folha", mas de forma resumida e, consequentemente, incompleta.

Daqui a pouco, às 18 horas, o Filipe Chinita vai lançar no Auditório da Biblioteca Municipal a "Cantata Pranto e Louvor" em memória desses nossos conterrâneos, mortos em 1979. Já li o poema. Por isso, vou lá estar. Em jeito de homenagem.

Com um abraço aos ex-colegas que comigo colaboraram neste trabalho, deixo aqui o lead dessa reportagem, que deveria ter sido publicada no Jornal "Folha de Montemor" de Setembro de 1999, 20 anos depois dos trágicos acontecimentos:

"Falar de acontecimentos recentes não é fácil nem a exigente “cientificidade” da História a tal nos aconselha. Ainda assim, foi um risco assumido. Vinte anos depois daquelas mortes em Vale de Nobre, é quase uma obrigação moral falar delas. E assim, acreditámos que o afastamento temporal, ainda que, provavelmente insuficiente - insistimos - nos iria permitir fazer neste pequeno apontamento, sem qualquer presunção, uma exposição o mais objectiva possível, dos acontecimentos desse fim-de-semana longínquo mas ainda presente na memória dos milhares que nele participaram.


Para tal, socorremo-nos de dois ou três jornais dessa altura e de conversas soltas que fomos fomentando com amigos e familiares, depois de lhes contarmos o objectivo deste nosso trabalho, e com base numa entrevista que publicamos na íntegra, feita a uma testemunha ocular dos acontecimentos de Vale de Nobre e ferida durante os disparos. Tivemos a rara sorte de nos ser dado acesso a uma colecção de mais de uma centena de fotografias, propriedade do GDI da Câmara Municipal, preciosos e raros documentos, ajuda inestimável que vinham definitivamente ao encontro dos nossos propósitos.

O que nós pretendíamos era recolher testemunhos idóneos, isentos, claros, objectivos em suma, com o possível afastamento crítico, para podermos cumprir o nosso arriscado intento: relatar a trágica história desse fim-de-semana de 27 de Setembro de 1979. Vinte anos passados sobre a morte dos dois trabalhadores na Cooperativa Bento Gonçalves, em Vale Nobre, a 10 quilómetros de Montemor, o processo foi arquivado por falta de provas.

Se depois da leitura das linhas que se vão seguir, os mais velhos sentiram a memória mais fresca; se os mais novos ficaram a saber que a Revolução dos Cravos teve consequências imprevisíveis e houve quem pagasse com a própria vida os percalços dessa Revolução; se todos se consciencializaram que duas famílias ficaram destroçadas pela morte de um adolescente e de um adulto que caíram varados por balas, tombando por uma causa em que acreditavam; se conseguimos transmitir o nosso sentimento - porque os que escrevem nos jornais também sentem - de indignação porque ninguém ainda foi julgado por estes crimes, logo o nosso humilde desiderato foi cumprido.


E a história do último dia da vida de António Casquinha e José Geraldo Caravela começa, então, assim..."


6 comentários:

andrade da silva disse...

À familia e a todos os alentejanos um forte abraço solidário de Abril , e a expressão de uma total revolta por esses crimes e muitos outros que Novembro contra Abril trouxe, e pelos tempos de corrupção, mentira e impunidade que correm hoje.

andrade da silva

MAR disse...

Eu cresci a ouvir falar destes nomes e a ver os rostos sempre lembrados no Centro de Trabalho do PCP no Escoural. Sempre tive vontade de escutar a história destes dois homens que nunca recebaram a justiça devida. Para os que com eles conviveram, tornaram-se exemplos de coragem, para nós, os mais novos da terra, são quase uma lenda.

ZERO À ESQUERDA disse...

Acredito que um dia a verdade será revelada.
Tenho essa tal reportagem (que também não é conclusiva) com a história do último dia desses dois mártires. Um dia talvez a publique na íntegra neste blogue. Seria mais um passo (talvez pequeno) em direcção à verdade. Abraço.

pedro mapuche disse...

Reforma Agrária, a mais bela conquista da Revolução de Abril. Os heróicos trabalhadores agrícolas, tomaram nas suas mãos os campos do Alentejo e Ribatejo, alterando profundamente as estruturas agrárias.
teve os seus heróis,e quero aqui destacar o Casquinha e Caravela.
deste modo estou em vias de realizar um documentario sobre os acontecimentos de 27 de setembro de 79.
abraço.

pedro mapuche disse...

Para quando a publicação desse trabalho na integra?
gostaria se possivel ter acesso a essa reportagem.

Unknown disse...

Também gostava de um dia ler esse seu trabalho...essa reportagem... Também tenho recordações desses dias...

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal