domingo, 20 de novembro de 2011

Goodbye, euro!


Ocupada com os seus muitos afazeres, a minha fofa confia em mim no que lhe vou transmitindo em relação ao mundo, aos seus atrasos e avanços quotidianos e, para que ela não sofra muito, lá eu vou pintando as coisas com cores menos escuras, dando, aqui e ali, uma ou outra pincelada de optimismo, saberão os deuses onde o vou buscar. Ela, que tem por obrigação profissional mostrar aos outros que o mundo não é tão mau como o pintam, se viver num espaço de felicidade contínua, tem a vida facilitada no consultório e… na vida. Quando lhe disse, a medo, mais escondendo que mostrando, que o Portugal que tanto amamos teria, provavelmente, de voltar às notas do Santo António, do Pedro Álvares Cabral e da Rainha D. Maria, ela sorriu e pediu-me: “Espera que eu já venho”.

Nem passaram dois minutos quando apareceu à minha frente, trazendo na mão esquerda um talego do pão, daqueles grandes e coloridos, inchado e pesadote. Estava cheio de notas do antigamente. Tantas que ainda hoje não fui capaz de contá-las. Na mão direita segurava um velho conversor azul e que há muito não tinha qualquer uso. A fofa olhou para mim e disse-me, com ar triunfante, perante o meu ar esgazeado: “Eu nunca confiei no euro!”



5 comentários:

AMS disse...

Pois, eu não pensei nessa do talego e, por isso, para amostra estou reduzida a uma D. Maria.
A ver vamos, já dizia o cego!

Cloreto de Sódio disse...

E o conversor?
Guardaste o conversor? :)

kalikera disse...

A malta anda distraída, tão distraída que só me apetece é dar-lhes chapadas.

Mad Hattress disse...

Ahahah! Por acaso, ainda tenho umas quantas notas. Na altura escondi-as no meu diário e esqueci-me que existiam!

Carlos Machado Acabado disse...

Caminhamos, ao que tudo indica, para o terminus de um embuste colossal que nos tem, como país e como «sociedade mental, económica e política» mantido numa espécie de criogenia institucional prolongada [sem fim à vista, em qualquer caso] durante a qual fomos descobrindo as delícias da condição distónica [< distonia eurovegetativa]

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal