sábado, 19 de dezembro de 2009

Boas e tântricas festinhas


Nááááá! Isto do Natal já não me convence. Esta coisa das Boas Festas e tal, beijo para aqui, cartão para ali, telefonemas e mensagens, o pessoal muito feliz e mánasêquê, é tudo muntolindo mas torna-se perverso e nem sempre resulta. Eu, por exemplo, recebo todos anos as Boas Festas de pessoas que se dizem minhas amigas mas que… nunca se sentaram à mesma mesa que eu. E eu tenho para mim que as amizades também se medem pela partilha de uma mesa (e, por vezes, de outras peças de mobiliário), momentos em que os gostos gastronómicos, comuns ou não, podem dar uma enorme ajuda na descoberta da personalidade do outro. Lá explica o ditado popular (se não explica, devia explicar) “diz-me o que comes e dir-te-ei quem és”.


Portanto, os meus amigos e os que, nesta época, fingem que são meus amigos, por favor, não me enviem cartões, não me telefonem, nem me mandem aquelas mensagens muito duvidosas de Boas Festas. Lá está: a Noite de Consoada é para passar com a família e não para estar, entre a couvada e o peru, ou entre o marisco e a açorda, a escrever e a ler mensagens de Natal que, muitas vezes, são um oceano de erros ortográficos, de sintaxe e de concordâncias verbais.

Poupem-me, porque a minha pausa lectiva natalícia é mesmo sagrada


12 comentários:

sara disse...

tisnem mais ... ora atão toma lá um bom novo 2010. é um desejo aceitável não?

Zero à Esquerda disse...

Ora se é, Sara! Abraço.

Leonel Craveiro disse...

Antes que deixes de atender os não amigos.
Boas Festas.

Quanto ao petisco do blog, já que a conversa puxou para a gastronomia, continuamos todos, digo eu, à espera.
Já lá vão os tais 20000 e picos!
Não sei qual a ultima camisola que entregaste mas fica o aviso de que o mercado está quase a abrir para novas aquisições.

Abraço.

natália disse...

Olá(Amigo?). Sim porque eu ainda não me sentei uma única vez à mesa contigo, na degustação de um petisco qualquer...Não devo ser lá muito tua amiga.
Acimo de tudo e com o (meu) coração longe de quaisquer hipocrisias(nem aurículas nem ventrículos suportam o fingimento), há alturas em que estamos com a cabeça noutras prioridades e os amigos(verdadeiros) também têm de saber
interpretar silêncios e ausências(sejam elas à mesa ou noutro sítio qualquer).
Eu sei que no meu coração, há um lugar de AMIGO para ti e por isso, estou a borrifar-me para essa conversa da gastronomia e "manassêquê". SANTO NATAL PARA TI E PARA TODOS OS QUE TE SÃO QUERIDOS e agora interpreta como quiseres...
Natália

Zero à Esquerda disse...

Metáforas, Natália, são tudo metáforas para usarmos como quisermos, AMIGA! Há amizades tântricas, não há? Para lavar e durar, sem chegarem ao fim.:)
Bjs e Bom Natal para ti, para o Fernando e para o resto dessa bela tribo.

Zero à Esquerda disse...

Que venham os novos "sócios", Leonel. Vou comprar mais umas cadeiras!

Anónimo disse...

Estoy literalmente de acuerdo. De hecho me resisto a felicitar la Navidad este medio que tiene significado de protocolario. Felicutar la Navidad este medio es como imitar al papagayo -loro - de lo "feliz navidad" y cuyo sonsonete acaba aburriendo. Asi que os deseo lo mejor personal y coralmente.
Felix

Anónimo disse...

Abraço, Félix!

kalikera disse...

Beijihos e abraços.

POR FALARES EM E-MAILS DA TANGA, AQUI FICA ISTO A CHATEAR (O BLOG É TEU, TENS O PODER, APAGA-O):

Cartas ao Pai Natal I - Mário Soares

Pai Natal
Acordei agora da sesta. Tive um sonho original.
Conversei com a Maria
E achamos que não é sonho
Mas uma ideia genial!
Já fui ministro, primeiro-ministro
E duas vezes presidente deste país
Está na hora de mudar de ares
Aceitar novos desafios
Levar mais longe o nome de Portugal
Ou o meu nome... Como sempre quis.
Como tu tenho já uma certa idade
E no ventre a mesma proeminência
Decidi que para o ano quero ser o Pai Natal.
Portanto...
Olha pá faz as malas. Desocupa a Lapónia.
Vou ser eu o Pai Natal.
Tem lá paciência.

Assinado: Mário Soares
(Ex-deputado. Ex-Primeiro Ministro. Ex-Presidente da Republica. Ex-Deputado europeu. Futuro Pai Natal)

Cartas ao Pai Natal II - Manuel Alegre

Pai natal quando voares nos céus da minha Pátria
Quando aterrares as renas nas planícies do meu País
Lembra-te desta carta, pedido singelo
De um homem que só para a Pátria pede
Para si... Nada quis.
Se o nevoeiro que levou D. Sebastião
Te fizer perder o rumo e baralhar o norte
Segue o cheiro a verde pinho
Ouve a minha trova no vento que passa
E chegarás às chaminés do meu país
Pátria desafortunada. Sem euros. Má sorte.
Numa das chaminés de Lisboa
Sentirás o odor e verás o fumo negro da traição
Que o teu trenó sobre ela paire.

Assinado: Manuel Alegre

Cartas ao Pai Natal III- Jerónimo de Sousa

Camarada
Tu que és explorado pela entidade patronal
Durante a época do Natal
Usado como símbolo do capitalismo
Para fomentar o consumismo
Desenfreado, descontrolado
Que enriquece a burguesia
E empobrece o proletariado
Junta-te a nós no combate
Contra a guerra no Iraque
Oferece Che Guevara's não ofereças Action Man's
Luta pela igualdade feminina
Não dês Barbies mas Matrioshkas
Educa as crianças de hoje
Comunistas amanhã
Substitui o Harry Potter pelo livro "O Capital".
Camarada
Reivindica o teu direito a um transporte decente
Pára o trenó e as renas
Que não é veículo de gente operária e trabalhadora
Como tu oh pai natal!
Unidos venceremos o imperialismo e os reaccionários
Viva o Natal dos oprimidos
Viva o Natal dos operários!

Assinado pelo candidato: Jerónimo de Sousa (Carta aprovada por unanimidade e braço no ar pelo Comité Central do PCP)

Cartas ao Pai Natal IV- Francisco Louçã

Isto não é uma carta!
É um manifesto. Um protesto. Uma petição
Assinada por dezenas de intelectuais
E outras pessoas que jamais
Se reviram numa festa
Bacanal
Orgia de oferendas
Dadas sem qualquer critério
E que perpetuam uma tradição
Caduca. Reaccionária. Clerical.
Que tu representas oh pai do natal.
Com esta petição pretendemos
Que a data seja referendada
Não imposta, decretada
Por um estado economicista e liberal
E que seja celebrada quando um homem quiser
Não à roda da mesa. Consoada.
Mas num portuguesíssimo arraial.

Assina: Francisco Louça


Cartas ao Pai Natal V - Aníbal Cavaco Silva

Excelentíssimo Senhor Doutor Pai Natal
Venho por esta via pedir para a minha Maria
O Kama Sutra, versão condensada
Não sei se a minha Maria teria
Para a versão completa e ilustrada
Suficiente pedalada.
Eu para mim
Por ora nada peço
E de momento nada digo
Não abdico do meu direito de manter o suspense
E de fazer tabu do meu posterior pedido.
Mas.... E só isto adianto
Não preciso de Viagra
Para acompanhar a minha Maria na leitura
Do acima citado livro
Que teso e hirto ando eu sempre
Não precisando por isso de muleta
Ou qualquer outro suplemento
Para manter a rigidez
E o meu porte sobranceiro.
Despeço-me atentamente economizando palavras
Porque como vossa Excelência sabe:
Os tempos são de crise e tempo é dinheiro.

Assina o Professor Doutor:
Cavaco Silva

kalikera disse...

Agora a sério: Toma lá motetes da Páscoa para comprares para o Natal.

http://www.lojadoarco.com/products/cardoso-frei-manuel-livro-de-varios-motetes-livro-3cd

zé disse...

Partilha de outras peças de mobiliário???? HUMMMM
Sugestivo não??
beijos e flores

chaparro disse...

«Querido Pai Natal»...
"Este ano levaste-me o meu cantor e dançarino preferido, Michael Jackson...
o meu actor preferido, Patrick Swayze...
e a minha atriz preferida, Farrah Fawcett...
Quero lembrar-te que o meu político preferido é o José Sócrates!"

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal