terça-feira, 16 de julho de 2013

Déjà-vu?




        Num Portugal desconjuntado e atirado para a valeta pelos anos difíceis da I República, foi fácil concretizar o golpe de 28 de Maio de 1926, que viria a dar origem ao Estado Novo, em 1933. Para resolver a grave crise social e financeira de então, o presidente da república eleito, em 1928, em lista única (que absurdo), General Óscar Carmona, chamou Oliveira Salazar para a pasta das Finanças. O professor de Coimbra não perdeu tempo e lançou sobre os portugueses uma austeridade sem precedentes, com uma redução das contas públicas e um “colossal” aumento de impostos. De salvador da pátria a ditador insensível, controlador e intransigente, foi um pequeno passo, o primeiro, contudo, de uma longa caminhada de censura, tortura, cultivo da ignorância e controlo total da vida dos portugueses, que viria a terminar a 25 de Abril de 1974.
O Governo de Salvação Nacional, solicitado por Cavaco Silva no passo dia 10, rima de forma terrível com a União Nacional de triste memória Se a coisa ficasse apenas por esta questão “(in)estética”, nada de grave me ocorreria. O meu receio é que os acontecimentos se repitam. E, por aquilo que tenho lido, ouvido e aprendido com quem sabe destas coisas, a História tende mesmo a repetir-se, ainda que noutras circunstâncias e contextos. É isso que me assusta. E o pior é que, quando os portugueses derem por tal, será tarde de mais.
Ah! É verdade! Iznogoud é um nome formado a partir da expressão inglesa “is no good”, - não presta para nada, em português de Portugal.


1 comentário:

manuelbota disse...

Se assim for...vá aproveitando enquanto pode escrever no blog á vontade...não vá o diabo tecê-las e o "lápis Azul" seja novamente "afiado"...

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal