domingo, 26 de julho de 2009

Euromilhões


O que muda muito a vida das pessoas é o dinheiro. Nunca tinham pensado nisso? Ora, façam lá este exercício meramente académico: o que pensariam fazer os meus leitores com 60 milhões de euros no bolso? Davam aos Bombeiros, à Misericórdia, às Sociedades Recreativas, à Igreja, às Instituições de Solidariedade Social, aos Escuteiros… Claro, é o que toda a gente diz que faz.
Eu não. Eu cá digo logo a verdade. Se me sair essa quantia escandalosa, pego no dinheiro, na minha fofa e nos rebentos da nossa autoria, e parto para sempre, sem me preocupar com o Sócrates, com a Gripe A, com a ministra da Educação, com o Manuel Pinho malcriado, ou com o futuro da minha cidade e do meu concelho quando Carlos Pinto de Sá terminar o seu último mandato.
Nunca mais vou pensar nos carros estacionados em cima dos passeios, na falta de condições para os cidadãos portadores de deficiência, na Rua de Avis só para peões, no Jardim Público fechado à noite nestas magníficas noites de Verão, destronado pelo Parque Urbano e prejudicando os cafés que precisam de ganhar a vida nas suas imediações. Mando às urtigas as preocupações, cada vez mais legítimas, dos poucos comerciantes que, dia após dia, vendem cada vez menos e pagam cada vez mais impostos, com os seus clientes optar pelas grandes superfícies comerciais. Lixo-me para a Adua e para o seu histórico problema que, embora lentamente em resolução, continua a exigir uma profunda dinamização para a criação de mais empregos e agarrar gente nova e válida a esta terra de santos e heróis. Ignoro definitivamente o rio, cada vez mais afastado da cidade, salvo as excepções, diga-se em abono da verdade, proporcionadas pelas actividades de Verão das Oficinas do Convento, junto ao Moinho do Ananil.
Abro, contudo, uma excepção. Antes de partir, deixo apenas um donativo à instituição que é metade da minha vida: 1 milhão de euros ao Coral de São Domingos para que esta equipa pouco comum possa continuar o seu caminho, como até aqui, sem sobressaltos de qualquer espécie. Depois de o tesoureiro Armindo me passar o recibo para o IRS, parto e nunca mais volto.
Para já, parto mesmo. Mas volto. Há um CD para lançar e muitos concertos à espera em agenda. E não se esqueçam: aproveitem o sossego, porque a silly season recomeça em Setembro. Eles vão voltar!!
Entretanto, votos de boas e prolongadas sestas. Sozinhos ou (bem) acompanhados.

14 comentários:

Anónimo disse...

Ok, daí o tal não chegar a horas ao tal evento para o qual te convidei...certo. No entanto fiquei contente em saber que voltarias para o coral, deduzi...HR estarías a faltar à tua palavra de umas semanas atrás aqui neste mesmo bolgue
Bjs

Maria disse...

Eu não sei o que faria, até porque nem jogo, mas de certeza que dar aos do teu primeiro parágrafo NÃO DAVA!!!!

Boas férias.

ZERO À ESQUERDA disse...

Já somos dois a dizer a verdade, Maria!
Um abraço.

zé disse...

Pois é João.... faz aproximadamente 15 anos, que dei uma volta com a minha rapaziada, por altura do Natal, na rua de Aviz. Desde essa altura que sinto essas dificuldades, em dar um simples passeio pra ver as montras, com os meus amigos. Por vezes mais parece uma aventura radical de tanto passar de passeio pra passeio, de tanto desviar dos carros mal estacionados, enfim de tanta falta de sensibilidade. Pensar em levar alguem de cadeira de rodas, ai sim seria uma autentica loucura.
Foi bom ler a tua opinião ao fim desdes anos todos. Pode ser que seja desta....
beijos e abraços

Já agora ainda me faltam uns tantos mil euros pra acabar de pagar a minha casa.... nao te esqueças do primo

kalikera disse...

Há vagas para tesoureiro do cante?

Anónimo disse...

Acho justo: partias mas não deixavas os amigos descalços...
Eu não dava, à partida, nada a nunguém.
era só esperar que muitos e muitos (nessas alturas há sempre muitos amigos...) nos batessem à porta a cantar a canção do bandido e depois contratar alguém para fazer a triagem!

Boas férias
ardemardacosta

ZERO À ESQUERDA disse...

Zé:
pode ser que se arranje meia-dúzia de euros para a casa! :)Abraço e obrigado pela visita!

ZERO À ESQUERDA disse...

Kalikas:
O cargo de Tesoureiro está bem entregue. Continuas com o cargo de "ouvinte-visitante-conviva" que, quando o cumpres a rigor, me dá sempre uma grande alegria. Agradeço a tua atenção. Abraço.

ZERO À ESQUERDA disse...

Ardemar: os amigos são para as ocasiões. É assim ou não é? Abraço.

vovó disse...

Boas Férias! para si, e suas fantásticas fofa e rebentos de vossa autoria :)!
quanto ao resto, por mim, se tal acontecesse, faria um imenso adeussssssss a este "país", à beira mar plantado!...
beijocassssss

Leonel Craveiro disse...

Só queria beber uma bejeca na Feira de Setembro.
Pelo menos deixa uma barraquinha com conta aberta para a malta comemorar o teu exílio milionário, quanto te sair o Euromilhões, claro!

Aquele abraço.

ZERO À ESQUERDA disse...

Vovó:
Acredito que estes nossos desabafos deixem de ter sentido daqui por uns tempos. Que a partir de Outubro, tenhamos a possibilidade de atirar "dardos" a outro "boneco". Abraços grandes.

ZERO À ESQUERDA disse...

Está combinado, Leonel. Mesmo que não haja milionário, vai haver uma bejeca para ti. Mas só uma. Por causa do balão. Num exercício de auto-censura! Abraço.

Maria de Fátima Matias disse...

Olá futuro milionário!
Não acredito que saísses de Montemor e nunca mais voltasses, pois faltava-te o teu castelo.
Mas se ganhares assim tanto, lembra-te dos amigos antes de partir...
Bjs

Distraídos crónicos...

Contador de visitas

Contador de visitas
Hospedagem gratis Hospedagem gratis

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Montemor-o-Novo, Alto Alentejo, Portugal